sábado, 5 de maio de 2012

Sobre Esquizofrenia, Sexo, Amor e uma Mudança de Opinião

Eu estou envolvida num projeto de pesquisa que envolve pacientes psiquiátricas e suas vidas sexuais.
Pra isto, eu estou realizando também a prevenção ginecológica em mulheres portadoras de esquizofrenia  que são acompanhadas na UNIFESP, em São Paulo.

Bom, semana passada eu e Carol ( ginecologista responsável do Projeto Afrodite), demos uma palestra sobre sexualidade, as disfunções, a consulta ginecológica, etc, pra elas.
Foi aí que começou todo o X da questão.
Até este contato preliminar com elas, eu confesso que tinha uma opinião preconceituosa e simplista demais para esta questão: achava que, a depender do avanço da doença, estas pacientes nem deveriam exercer atividade sexual.
NUNCA.
O que eu descobri?
O que mudou eu mim?

Bom, eu percebi que é inerente ao ser humano a vontade de acasalar.
De viver o amor, e de exercer sua sexualidade plenamente.
Isto inclui fazer sexo.
OBVIO.
E claro, que todas suas consequencias, desde a transmissão de doenças até a gravidez.

Mais uma vez, percebi que eu tenho que estar aberta para rever meus conceitos sempre.
Eu não posso atendê-las bem, e orientá-las corretamente, se não for capaz de entendê-las.
Eu não posso trabalhar com sexualidae, se insistir em  "tapar alguns sóis com a peneira".

Claro que ainda acho que existam situaçoes extremas, que merecem um outro olhar.
Mas aí, já deixo pro psiquiatra.
Pra mim, ficou o aprendizado, a convicção que o ser humano quer se unir, ter uma companhia.
Que ninguém pode ser feliz sozinho.

E eu não falo de casamento não. Acredito que algumas pessoas possam optar e viver bem de outra maneira. Não sou uma "casadoira" louca.

Mas, sozinho, sem amor, sem exercer toda sua sexualidade, e agora não me refiro só ao sexo, tenho certeza que NINGUEM vive em paz.
E o que a gente quer, além de PAZ nesta vida?


Humm... acho que boas surpresas me esperam com estas mulheres especiais.

E quem achou que meu trabalho era monótono?

7 comentários:

  1. Lorena, conheço/conheci alguns portadores de doenças psiquiatricas, e a maior parte deles era sexualmente ativos, muitos inclusive com filhos e te garanto que em doenças controladas as relações amorosos e o sexo em si só tendem a melhorar o equilibrio e a estabilidade deles. E estar aberta a mudar de opnião é a melhor caracteristica que um ser humano possa ter. Beijo

    ResponderExcluir
  2. Olha, nunca achei que teu trabalho era monótono, muito ao contrário!

    Mas que delícia entrar em um mundo novo cheio de coisas a serem descobertas e o melhor: ajudando outras pessoas!

    Parabéns Lorena! Traga todas a novidades sobre isso para nós!

    beijos

    ResponderExcluir
  3. Marcos = magaldino@ig.com.br6 de maio de 2012 13:47

    Minha esposa faz tratamento de esquizofrenia há mais de 10 anos , temos 20 anos de casados e tinhamos uma vida sexual super ativa , só que apos o tratamento as relações foram esfiando por parte dela , chagando ao ponto dela dizer que me ama muito , não vive sem mim , mas não tem mais nenhum interesse por sexo.Por mais que o seu Psiquiatra fale sobre a importancia do sexo , ela não quer mais. Existe algum grupo de estudo para esta situação ???

    ResponderExcluir
  4. Minha esposa faz tratamento de esquizofrenia há mais de 10 anos , temos 20 anos de casados e tinhamos uma vida sexual super ativa , só que apos o tratamento as relações foram esfiando por parte dela , chagando ao ponto dela dizer que me ama muito , não vive sem mim , mas não tem mais nenhum interesse por sexo.Por mais que o seu Psiquiatra fale sobre a importancia do sexo , ela não quer mais. Existe algum grupo de estudo para esta situação ???
    Marcos Antonio =
    e-mail = magaldino@ig.com.br

    ResponderExcluir
  5. ainda ha muito preconceito com pessoas portadoras de doenças mentais. Na Nova Zelandia, os programas de conscientizaçao são constantes e ha estatísticas que dizem que 1 em 3 pessoas sofremd e algum tipo de doença mental.

    ResponderExcluir
  6. É mesmo Inaie super importante a consientizaçao.
    Marcos, o meu trabalho se restringira a investigar a qualidade da vida sexual delas. infelizmente, por ora, nao abrangera tratamento.
    E nao conheço nenhum lugar especifico para tratamento de disfunçao sexual em ptes portadoras de esquizofrenia.
    O psiquiatra nao tem nenhuma indicaçao? Acho que vale a pena voce visitá-lo, nao acha?
    Beijos

    ResponderExcluir

Pode comentar!!!Venha prá berlinda também!



Pode demorar um pouco para seu comentário aparecer, pois ativei a moderação! Mas saiba que sua presença é muito importante por aqui.Beijos